Tentar ser perfeita a toda a hora

Cansei de me esforçar tanto para ser perfeita. É duro. Tão duro.

Tentar agradar a toda a gente tornou se demasiado para mim. Estar sempre a pensar o que os outros pensavam de mim, tornou me uma pessoa ansiosa, não realizada, frustrada, triste, irritada, sem forças, com fobia social, stressada, eu sei lá mais. Para mim, sair de casa sempre foi um tormento. Ter que pensar em tudo o que tinha que fazer só para sair de casa, fazia me não querer sair sequer. E que eu estou a falar é, do que vestir? Que maquilhagem usar? Se o cabelo está assim ou assado, se tenho borbulhas ou não, se estou com a cara inchada ou não, experimentar não sei quanta roupa só porque nunca nada está bem, saber que vou ser observada a partir do momento que vou sair de casa é para mim um filme, de terror. Acho que só agora percebi que a minha fobia social não era nada mais nada menos, do que tentar ser demasiado perfeita.

Em vez de me concentrar em coisas importantes, só importava o meu aspecto. E o tempo que eu perco todos os dias a tentar? A pressão que eu sempre pus em mim, é ridícula. Eu deixo de viver a minha vida só por não conseguir deixar de pensar o que os outros pensam de mim. Mas porque é que eu nunca consegui meter na cabeça que isso não interessa para nada? Só agora percebi que só tenho que me agradar a mim mesma, e a ouvir o que eu sinto e o que eu quero.

Engraçado que tenho feito algumas experiências comigo. Dou por mim no meio de multidões, e primeiro que me concentre é uma coisa absurda. A minha cabeça vira picadinho, já para não falar nos meus níveis de ansiedade e stress. Primeiro que me acalme… Ainda ontem tive que ir fazer um exame, e estava a sala de espera cheia. A partir do momento que entro na sala, desconecto completamente de mim. Só penso o que os outros estarão a pensar de mim, é terrível, como se eu não conseguisse controlar, é como se de repente ficasse sufocada. Estando eu mais ciente da minha situação, comecei por respirar fundo, tentar encontrar um foco, depois por pensar nas coisas boas que me iam acontecendo, esforcei me ao máximo para não pegar no telemóvel (era o que eu faria sempre numa situação de pânico), e comecei devagarinho a relaxar. Tentei perceber do que eu realmente sentia medo, e não é medo das pessoas que eu sinto, é medo do que elas estão a pensar de mim. Comecei a perceber que estava farta de tentar ser perfeita, porque ninguém é, e tudo o que elas pudessem pensar não me interessava para nada. Não digo que me passou a fobia social, mas não querer saber o que as outras pessoas pensam de mim, não meter tanta pressão em mim, torna tudo mais leve.

Nunca conheci ninguém com fobia social, e por isso nunca pude partilhar tudo o que sentia, talvez para perceber melhor sobre isto, mas descobri que realmente os pensamentos podem destruir nos, e somos nós que os criamos. Não vou mais tentar ser perfeita, não interessa. Só quero poder sair de casa sem pensar em tudo o que tenho que fazer só para ir pôr o lixo fora, por exemplo. Desde muito nova, que até para ir buscar pão à padaria, eu entrava em pânico, só por saber que tinha que fazer tanta coisa antes de sair de casa só para tentar ser perfeita. E para quê? Dá demasiado trabalho.